LGBTQIA+: Conheça Gilbert Baker, o artista que criou a bandeira do movimento

Acredite, cada cor possui um significado bem especial

Baker morreu em março de 2017, mas seu legado permanece vivo.
Baker morreu em março de 2017, mas seu legado permanece vivo. - Shutterstock

por Redação/FC
Publicado em 21/06/2021 às 16:58
Atualizado às 16:58

COMPARTILHEFacebook Famosos e CelebridadesPinterest Famosos e Celebridades

Aproveitando que estamos em junho, mês do Orgulho LGBTQIA+ e no período em que reforçamos ainda mais importância do diálogo sobre a causa, temos uma pergunta para te fazer: você sabe qual é a história e o significado das cores da bandeira do movimento?Se a resposta for não, vamos te contar agora! 

Bandeira LGBTQIA+
Em alguns momentos, a cor Rosa também aparece nas bandeiras com destaque para o movimento trans. Shutterstock.

Gilbert Baker, o resposável pela bandeira do "arco-íris"

No dia 25 de junho de 1978, a bandeira LGBTQIA+ era apresentada ao público durante a Parada do Orgulho Gay, nos Estados Unidos, sob criação de Gilbert Baker. Artista, militar que, após ser dispensado do exército foi morar em São Francisco, na Califórnia e passou a se envolver com as pautas que cercavam o movimento. Na época, ele aprendeu a costurar e criou sozinho o design da bandeira colorida, com as cores do arco-íris. 

Gilbert Baker
Gilbert Baker era artista e militar. Shutterstock

Com a sua participação na causa, o então supervisor da cidade, Harvey Milk, pediu que Baker criasse um ícone para a comunidade LGBTQIA+ que, até o momento, não contava com nenhuma simbologia oficial.

O artista iniciou então os trabalhos com inspiração nos hippies que viam o arco-íris como um símbolo de paz. Cada faixa possui um significado bem especial. Dá uma olhadinha:

Vermelho: Vida
Laranja: Cura
Amarelo: Luz do sol / Brilho próprio
Verde: Nossa natureza
Azul: Serenidade e harmonia 
Roxo: O espírito

*Vale lembrar que em alguns casos, também aparece as cores como Rosa, com destaque para o movimento trans.

Parada do Orgulho Gay
O legado de Baker e Milk permanecem vivos até hoje. Shutterstock. 

Por um tempo, o preto também esteve na bandeira, em homenagem às vítimas do HIV, reforçando a mensagem de saúde, mas aos pouquinhos, ela voltou às cores originais. Ah, apesar da grande importância e soma no movimento, Harvey Milk foi assassinado após a Parada do Orgulho Gay em 1978. No entanto, o seu legado permanece vivo, assim como a bandeira criada por Baker, que faleceu em 2017.

Leia também