Criticada por falar em 'delírios comunistas', Juliana Paes faz post sobre amor e paz

Após se posicionar politicamente, a atriz ficou quatro dias sem publicar nas redes sociais

A atriz reapareceu nas redes sociais nesta segunda-feira (7).
A atriz reapareceu nas redes sociais nesta segunda-feira (7). - Instagram: @julianapaes

por Redação/FC
Publicado em 07/06/2021 às 16:34
Atualizado às 16:34

COMPARTILHEFacebook Famosos e CelebridadesPinterest Famosos e Celebridades

Dias após ser duramente criticada por falar sobre seu posicionamento político e apontar como 'delírios comunistas' as ações de parte dos defensores da vacina contra a Covid-19, Juliana Paes passou quatro dias sem compartilhar conteúdos nas redes sociais. No entanto, nesta segunda-feira (7), a atriz reapareceu em um post sobre amor e paz. 

Juliana Paes
A atriz foi criticada durante o feriado após publicar um vídeo com o seu posicionamento político. Crédito: julianapaes

Em seu perfil no Instagram, a famosa compartilhou a imagem de uma rosa branca e legendou com um emoji de coração na mesma cor. Já nos stories, um texto do filósofo Sri Ram. "O amor é a única força conhecida pelo homem que não é vencida por nenhuma ameaça, não importa quão horrenda", compartilhou.

No feriado de Corpus Christi, a atriz defendeu a médica Nise Yamaguchi, que participou da CPI da Covid. Segundo Juliana, a profissional, que apoia o uso da cloroquina, foi impedida de falar por diversos homens que a interrompiam o tempo todo. 

Mais tarde, ela gravou um vídeo, destino a uma atriz, e lamentou ter sido chamada de coverde, desonesta e criminosa por apoiar Nise. Na publicação, Juliana também negou apoiar o governo de Jair Bolsonaro, mas citou a existência de 'delírios comunistas' nas atitudes daqueles que são contra o presidente. 

Na web, o assunto rendeu. Os internautas especularam ser uma indireta para Samantha Schumutz que havia publicado anteriormente. "Gente, quem não está falando, não é porque está em cima do muro. É porque está do outro lado do muro mesmo. O lado que dá vergonha de estar. Por isso silencia", disse. 

Leia também