Rodolffo rebate acusação de apologia ao estupro em música: "exagero"

Manuela Xavier, psicanalista e doutora em psicologia, compartilhou um vídeo denunciando a dupla sertaneja; confira!

"Dar Uma Namorada", de Israel e Rodolffo, já conta com mais de 3 milhões de visualizações no YouTube.
"Dar Uma Namorada", de Israel e Rodolffo, já conta com mais de 3 milhões de visualizações no YouTube. - Crédito: Instagram/@irodolffo

por Caroline Ferreira
Publicado em 22/11/2021 às 10:50
Atualizado às 10:50

COMPARTILHEFacebook Famosos e CelebridadesPinterest Famosos e Celebridades

Após o lançamento de "Dar Uma Namorada", Israel e Rodolffo foram criticados na web, uma vez que diversos internautas apontaram que a letra da faixa faz uma apologia ao estupro. 

Manuela Xavier, psicanalista e doutora em psicologia, compartilhou um vídeo em seu perfil no Instagram explicando como a música aborda a questão e cobrou que a Som Livre, gravadora responsável, se pronuncie sobre a aprovação. 

"A música conta uma história de um casal e ele fala assim: 'me atiçou, vai ter que dar uma namorada. Essa música escrita em 2021, mas com a mentalidade de 1920, diz que se a mulher for estuprada a culpa é dela. Porque ela atiçou, ela provocou. Qualquer semelhança com 'qual era a roupa que ela usava?' não é mera coincidência. A música lançada por Israel e Rodolffo é uma apologia clara ao estupro", disse.

Com mais de 3 milhões de visualizações no YouTube, a canção diz: "Cê não vai me iludir de graça. Me atiçou, vai ter que dar uma namorada. Cê não tá querendo rolo, então não caça. Me atiçou, vai ter que dar uma namorada". 

Sertanejo rebate críticas

O cantor e ex-BBB Rodolffo rebateu o que foi dito por Manuela e apontou exagero na denúncia. 

Rodolffo
Crédito: Instagram/@manuelaxavier

No entanto, a web continuou criticando a justificativa de Rodolffo. "Só que nenhuma mulher estupra homem...essa é a realidade", escreveu um usuário.

"Novidade que você não tem consciência de nada além do seu próprio umbigo. Não aprendeu no bbb21, faz sentido não querer entender (e nem ouvir) agora", comentou outra.

Leia também