Entenda a polêmica entre Elisa Lucinda e padre Fábio de Melo

No Instagram, a atriz explicou o seu comentário na foto do religioso: "não considero sexo pecado"

Em uma publicação do religioso, Elisa disse que não acredita em seu celibato.
Em uma publicação do religioso, Elisa disse que não acredita em seu celibato. - Instagram: @elisalucinda/@pefabiodemelo

por Caroline Ferreira
Publicado em 27/10/2021 às 16:30
Atualizado às 16:30

COMPARTILHEFacebook Famosos e CelebridadesPinterest Famosos e Celebridades

O nome de Elisa Lucinda vem dividindo as opiniões nas redes sociais. Tudo começou quando a atriz comentou em uma das fotos do padre Fábio de Melo. Até aí, tudo bem, né? Não! Acontece que a artista disse que não acredita no celibato do religioso, que na publicação aparece usando uma calça vermelha, colete e botas pretas. 

Não demorou muito para que o assunto rendesse na web. Alguns internautas concordaram com a opinião da ex-global, e outros não. Com a repercussão, Elisa rebateu algumas das críticas que recebeu. 

Elisa Lucinda e Padre Fábio de Melo
Elisa Lucinda e Padre Fábio de Melo. Crédito: Instagram/@pefabiodemelo

"Nâo estou intolerante e sim critica. Eu conheço muita gente que o acha atraente e não vejo nenhum erro nisso. Imagine, gente, não há ofensa em minhas palavras. Não considero sexo pecado. Acho um atraso da igreja tal rito. Adelia prado diz que ou tudo é bento ou nada é bento. E acho que este antagonismo entre fé e sexo, afasta os jovens, principalmente", disse.

Originalmente, a legenda de Fábio de Melo dizia: "O frago de botas". Com isso, ela comentou: "To te achando muito boy e sedutor. Sou contra o celibato. Com todo respeito que te tenho, não acredito no teu. E concordo. Não deveria ser preciso negar a propria natureza, ser celibatário para ser um padre. Não faz sentido pra mim".

"Tão deselegante da sua parte vir no Instagram do padre pra falar essas coisas e olhe que já vi você em um programa falando sobre respeito. Se você não acredita, guarda suas opiniões para si", descordou um internauta.

"Concordo. Já deu né... Ok ele faz o que quiser, porém pregar algo que não vive não é "bíblico" como dizem", escreveu outro. 

Leia também